terça-feira, 27 de agosto de 2013

Orações adverbiais reduzidas e resultado do teste

As orações adverbiais podem ser também reduzidas de gerúndio ou de infinito.
Por exemplo, posso dizer "Quando cheguei, encontrei a professora." Neste caso, tenho uma oração subordinada adverbial  temporal desenvolvida. Posso dizer também "Chegando, encontrei a professora." É também uma oração subordinada adverbial temporal, porém reduzida de gerúndio.
Gerúndio é esta forma verbal com a terminação "ndo", como em escrevendo, cantando, sorrindo.
A oração adverbial pode ser também reduzida de infinito. Posso dizer "Ao chegar, encontrei a professora."
Neste caso, temos uma oração adverbial temporal reduzida de infinito.

Veja agora a correção do teste de ontem:
Classifique as orações de acordo com a numeração seguinte:
1 - Subordinada adverbial causal.
2 - Subordinada adverbial temporal.
3 - Subordinada adverbial comparativa.
4 - Subordinada adverbial concessiva.
5 - Subordinada adverbial proporcional.
6 - Subordinada adverbial consecutiva.
7 - Subordinada adverbial final.
8 - Subordinada adverbial condicional.
9 - Subordinada adverbial conformativa.

( 3 ) Alice caminha mais rapidamente que Luísa.
( 4 ) Conquanto Luísa tenha saído mais cedo de casa, Alice chegou antes à escola.
( 8 ) Aprecio caminhar, se não for muito rápido.
( 9 ) Conforme dizem os médicos, a caminhada é um ótimo exercício.
( 1 ) Alice chegou antes porque caminha mais rapidamente.
( 2 ) Fico feliz quando o sol brilha e o céu está azul.
( 4 ) Ainda que o sol brilhasse naquela manhã, havia previsão de chuva.
( 5 ) À medida que a manhã avançava, o céu se tornava mais escuro.
( 6 ) Choveu tanto que as meninas precisaram telefonar para que a mãe as buscasse.
( 7 ) Os pais buscaram os filhos para que não ficassem doentes.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Orações adverbiais



Lembram-se das orações adverbiais? São aquelas orações subordinadas que têm a função de acrescentar circunstâncias de tempo, modo, lugar, consequência, causa e outras à oração principal.
Vejam alguns exemplos:
Paulo estudou tanto que dormiu em cima dos livros.
Oração subordinada adverbial consecutiva - circunstância de consequência.

A mãe ficou assustada  quando achou o menino adormecido.
Oração subordinada adverbial temporal - circunstância de tempo.

Conquanto ele tivesse estudado o dia todo, não conseguia lembrar-se do conteúdo na prova.
Oração subordinada adverbial concessiva - circunstância de concessão.

A mãe levou o menino ao médico porque estava estressado.
Oração subordinada adverbial causal - circunstância de causa.

No próximo bimestre Paulo estudaria mais regularmente do que tinha estudado no bimestre anterior.
Oração subordinada adverbial comparativa - circunstância de comparação.

De acordo com os médicos, o stress causa severos problemas ao organismo.
Oração subordinada adverbial conformativa - circunstância de conformidade.

Se estudarmos adequadamente, aprenderemos melhor o conteúdo.
Oração subordinada adverbial condicional - circunstância de condição.

À medida que o tempo passa, adquirimos mais experiência.
Oração subordinada adverbial proporcional - circunstância de proporção.

A mãe acompanha o crescimento dos filhos para que sejam saudáveis.
Oração subordinada adverbial final - circunstância de finalidade.

Classifique as orações de acordo com a numeração seguinte:
1 - Subordinada adverbial causal.
2 - Subordinada adverbial temporal.
3 - Subordinada adverbial comparativa.
4 - Subordinada adverbial concessiva.
5 - Subordinada adverbial proporcional.
6 - Subordinada adverbial consecutiva.
7 - Subordinada adverbial final.
8 - Subordinada adverbial condicional.
9 - Subordinada adverbial conformativa.

(    ) Alice caminha mais rapidamente que Luísa (caminha).
(    ) Conquanto Luísa tenha saído mais cedo de casa, Alice chegou antes à escola.
(    ) Aprecio caminhar, se não for muito rápido.
(    ) Conforme dizem os médicos, a caminhada é um ótimo exercício.
(    ) Alice chegou antes porque caminha mais rapidamente.
(    ) Fico feliz quando o sol brilha e o céu está azul.
(    ) Ainda que o sol brilhasse naquela manhã, havia previsão de chuva.
(    ) À medida que a manhã avançava, o céu se tornava mais escuro.
(    ) Choveu tanto que as meninas precisaram telefonar para que a mãe as buscasse.
(    ) Os pais buscaram os filhos para que não ficassem doentes.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Monossílabos e correção do teste

Monossílabos são palavras que possuem apenas uma sílaba, como eu, o, mim, pó, sé.
A classificação dos monossílabos quanto à tonicidade é em monossílabos átonos (sem tonicidade) e tônicos (com tonicidade). Falando numa linguagem simples, podemos dizer que os monossílabos átonos são pronunciados de uma forma mais fraca e os tônicos, de uma forma mais forte. 
Em Portugal, os monossílabos átonos têm as vogais quase não pronunciadas. Aqui no Brasil, isso não acontece.
Para que entendam, vou dar alguns exemplos de monossílabos tônicos e átonos.

São tônicos: mim, nós, vós, eu, tu, sim, ser, só, pá, ti, si, lá, sol, dá, pôr 
São átonos: me, te, se, nos, vos, lhe, lhes, o (pron. ou art.), a (pron. ou art.), da (combinação da preposição de com o artigo a), por (prep.), de

Atenção aos pronomes átonos, que sempre funcionam como complemento verbal.
Os monossílabos o e a exigem uma especial atenção, pois podem ser artigos ou pronomes, dependendo da oração.
Em "O menino veio à escola.", o monossílabo o é morfologicamente um artigo e sintaticamente funciona como adjunto adnominal.
Em "O professor o encontrou no cinema.", o monossílabo o tem a classificação morfológica de pronome pessoal oblíquo e sintaticamaente é um objeto direto do verbo encontrou.

Quanto à resposta do teste de ontem, aqui está:

Ligue as colunas, classificando as seguintes palavras de acordo com a sua acentuação tônica. Apresentarei a resposta amanhã.

(1) Oxítonas

(2) Paroxítonas
(3) Proparoxítonas

(2) amigo

(2) banco
(1) papai
(3) próximo
(1) mamãe
(2) caderno
(2) açúcar
(2) folha
(1) aqui
(1) cipó

Tenham um bom dia!

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Oxítonas, paroxítonas, proparoxítonas (revisão e teste)

Bom dia, leitores.
Vou recordar com vocês a classificação das palavras em língua portuguesa, de acordo com a acentuação tônica. 
Sabem que nem todas as palavras em Português são acentuadas, mas todas têm uma sílaba mais forte na pronúncia. Esta é a sílaba tônica.
Palavras com acentuação tônica na última sílaba são oxítonas, como capim.
Palavras com acentuação tônica na penúltima sílaba são paroxítonas, como mato. Observem que a maior parte das palavras em Português é paroxítona.
Palavras com acentuação tônica na antepenúltima sílaba são proparoxítonas, como pássaro. Todas as proparoxítonas são acentuadas.

Ligue as colunas, classificando as seguintes palavras de acordo com a sua acentuação tônica. Apresentarei a resposta amanhã.

(1) Oxítonas
(2) Paroxítonas
(3) Proparoxítonas

(  ) amigo
(  ) banco
(  ) papai
(  ) próximo
(  ) mamãe
(  ) caderno
(  ) açúcar
(  ) folha
(  ) aqui
(  ) cipó

Amanhã, além de apresentar a resposta, falarei também sobre os monossílabos, que são palavras com apenas uma sílaba.

Resultado do teste

Ontem, foi proposto um teste em que os leitores deveriam associar aos textos a numeração constante ao lado do período literário correspondente, como está na coluna abaixo:
1 - Barroco
2 - Arcadismo
3 - Romantismo
4 - Realismo
5 - Naturalismo
6 - Modernismo

Estou apresentando a resposta aqui:

( 2 ) "Prendamo-nos, Marília, em laço estreito,
          Gozemos do prazer de sãos amores,
           Sobre as nossas cabeças,
           Sem que o possam deter, o tempo corre:
           E para nós o tempo que se passa
           Também, Marília, morre."
                                          Tomás Antonio Gonzaga

O texto do autor Tomás Antonio Gonzaga, participante da Inconfidência Mineira, dedicado a sua musa Marília, lembra o princípio do "carpe diem" - aproveita o dia, aproveita o presente, próprio do Arcadismo.

( 1 ) "Ardor em coração firme nascido;
         Pranto por belos olhos derramado;
         Incêndio em mares de água disfarçado;
         Rio de neve em fogo convertido;"
                                          Gregório de Matos

O texto do autor Gregório de Matos, apresentando a figura de linguagem chamada paradoxo, em que há uma contradição, foi produzida durante o Barroco. Outra figura de linguagem muito utilizada no período é a antítese.

( 5 ) "E ela ria-se, ébria de satisfação, sem sentir as queimaduras e as feridas, vitoriosa no meio daquela orgia de fogo, com que ultimamente vivia a sonhar em segredo a sua alma extravagante de maluca. Ia atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa incendiada, que abateu rapidamente, sepultando a louca num montão de brasas."
                                          Aluísio de Azevedo, "O cortiço"

O texto do autor Aluísio de Azevedo, apresentando a patologia da loucura, foi produzido durante o Naturalismo.

( 3 ) "D. Antonio aproximou-se de Peri e apertou-lhe a mão.
- O que eu te devo, Peri, não se paga; mas sei o que devo a mim mesmo. Tu voltas à tua tribo: apesar da tua coragem e esforço, pode a sorte da guerra não te ser favorável e caíres em poder de algum dos nossos. Este papel te salvará a vida e a liberdade; aceita-o em nome de tua senhora e no meu."
                                          José de Alencar, "O Guarani"

O texto do autor José de Alencar, do livro "O Guarani", em que o indígena brasileiro é uma personagem idealizada, foi produzido durante o Romantismo.
Chama-se indianismo a abordagem da temática do indígena brasileiro nesse período literário.

(6 ) "Beiramávamos em auto pelo espelho de aluguel arborizado das avenidas marinhas sem sol.
         Losangos tênues de ouro bandeiranacionalizavam o verde dos montes interiores.
         No outro lado azul da baía a Serra dos Órgãos serrava.
         Barcos. E o passado voltava na brisa de baforadas gostosas. Rolah ia e vinha derrapava entrava em túneis.
         Copacabana era um veludo arrepiado na luminosa noite varada pelas frestas da cidade."
                                         Oswald de Andrade, "Memórias sentimentais de João Miramar"

O texto do escritor Oswald de Andrade lembra a primeira fase do Modernismo. Podemos observar neologismos como "bandeiranacionalizavam" e "beiramávamos". É a tentativa de criação artísticas numa língua "brasileira".

( 4 ) " - Bem, irás entendendo aos poucos a minha filosofia; no dia em que a houveres penetrado inteiramente, ah! nesse dia terás o maior prazer da vida, porque não há vinho que embriague como a verdade. Crê-me, o Humanitismo é o remate das cousas; e eu que o formulei, sou o maior homem do mundo. Olha, vês como o meu bom Quincas Borba está olhando para mim? Não é ele, é Humanitas..."
                                          Machado de Assis, "Quincas Borba"

O texto do escritor Machado de Assis foi produzido durante o Realismo. No livro "Quincas Borba", a personagem título, um filósofo que possui um cão com o mesmo nome,  descreve  sua teoria filosófica - o humanitismo, que é uma crítica velada de Machado de Assis ao evolucionismo, teoria científica da época.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Teste sobre períodos literários

Machado de Assis, escritor

Bom dia! Estou transcrevendo alguns fragmentos de textos. A tarefa do teste sobre períodos literários consiste em associar os fragmentos com os períodos literários em que foram produzidos, de acordo com esta numeração.

1 - Barroco
2 - Arcadismo
3 - Romantismo
4 - Realismo
5 - Naturalismo
6 - Modernismo

(     ) "Prendamo-nos, Marília, em laço estreito,
          Gozemos do prazer de sãos amores,
           Sobre as nossas cabeças,
           Sem que o possam deter, o tempo core:
           E para nós o tempo que se passa
           Também, Marília, morre."
                                          Tomás Antonio Gonzaga

(    ) "Ardor em coração firme nascido;
         Pranto por belos olhos derramado;
         Incêndio em mares de água disfarçado;
         Rio de neve em fogo convertido;"
                                          Gregório de Matos

(    ) "E ela ria-se, ébria de satisfação, sem sentir as queimaduras e as feridas, vitoriosa no meio daquela orgia de fogo, com que ultimamente vivia a sonhar em segredo a sua alma extravagante de maluca. Ia atirar-se cá para fora, quando se ouviu estalar o madeiramento da casa incendiada, que abateu rapidamente, sepultando a louca num montão de brasas."
                                          Aluísio de Azevedo, "O cortiço"

(    ) "D. Antonio aproximou-se de Peri e apertou-lhe a mão.
- O que eu te devo, Peri, não se paga; mas sei o que devo a mim mesmo. Tu voltas à tua tribo: apesar da tua coragem e esforço, pode a sorte da guerra não te ser favorável e caíres em poder de algum dos nossos. Este papel te salvará a vida e a liberdade; aceita-o em nome de tua senhora e no meu."
                                          José de Alencar, "O Guarani"

(    ) "Beiramávamos em auto pelo espelho de aluguel arborizado das avenidas marinhas sem sol.
         Losangos tênues de ouro bandeiranacionalizavam o verde dos montes interiores.
         No outro lado azul da baía a Serra dos Órgãos serrava.
         Barcos. E o passado voltava na brisa de baforadas gostosas. Rolah ia e vinha derrapava entrava em túneis.
         Copacabana era um veludo arrepiado na luminosa noite varada pelas frestas da cidade."
                                         Oswald de Andrade, "Memórias sentimentais de João Miramar"

(    ) " - Bem, irás entendendo aos poucos a minha filosofia; no dia em que a houveres penetrado inteiramente, ah! nesse dia terás o maior prazer da vida, porque não há vinho que embriague como a verdade. Crê-me, o Humanitismo é o remate das cousas; e eu que o formulei, sou o maior homem do mundo. Olha, vês como o meu bom Quincas Borba está olhando para mim? Não é ele, é Humanitas..."
                                          Machado de Assis, "Quincas Borba"



Respostas amanhã! Até lá.

domingo, 18 de agosto de 2013

Características do Modernismo na literatura

Escritor Oswald de Andrade
Vamos observar aqui as características do Modernismo na sua primeira fase. Os autores buscavam, além de temas brasileiros, uma linguagem brasileira.
Eram utilizadas palavras de uso coloquial, muitos omitiam o uso de vírgulas, faziam parte dos textos também construções sintáticas brasileiras como a próclise no início do período, o que não é próprio da língua culta.
Assim está no poema de Oswald de Andrade:

pronominais

Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e  do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro.

Oswald de Andrade também recria textos da Carta de Pero Vaz de Caminha, numa simbologia da recriação da literatura brasileira. Veja o poema As meninas da gare, do livro Pau-Brasil.

Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis
Com cabelos mui pretos pelas espáduas
E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas
Que de nós as muito bem olharmos
Não tínhamos nenhuma vergonha

Aqui Oswald refere-se evidentemente às prostitutas que circulavam na estação de trem, recriando o seguinte fragmento da Carta de Caminha:

(O escrivão relata o primeiro encontro com as índias.)

Ali andavam entre eles (os índios) três ou quatro moças, bem moças bem gentis, com cabelos muito pretos e compridos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas, tão saradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha.


Neste fragmento texto do livro Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, de  Mário de Andrade, observamos também o emprego de uma fala brasileira, diferenciada do nível culto da língua portuguesa:

                                                                Epílogo

Acabou-se a história e morreu a vitória. (...)
A tribo se acabara, a família virara sombras, a maloca ruíra minada pelas saúvas e Macunaíma subira pro céu (...) Só o papagaio conservava o silêncio as frases e os feitos do herói.
Tudo ele contou pro homem e depois abriu asa rumo de Lismo. E o homem sou eu, minha gente, e eu fiquei pra vos contar a história. Por isso que vim aqui. Me acocorei em riba destas folhas, catei meus carrapatos, ponteei na violinha e em toque rasgado botei a boca no mundo cantando na fala impura as frases e os casos de Macunaíma, herói de nossa gente.
Tem mais não.


No próximo post, vamos propor a você que identifique o período literário em que foram escritos alguns textos. Aguarde.





                          

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Pré-Modernismo, Modernismo, Semana de Arte Moderna

Teatro Municipal de São Paulo
No final do século XIX, como já vimos, a literatura brasileira passou da atitude romântica de idealizar as personagens para a atitude realista de criticar as personagens e a sociedade e até mesmo de apontar patologias das personagens e problemas determinados pelo meio ambiente, ao gosto das teorias científicas da época. 
Essas tendências seguiam ainda o modelo europeu, embora aplicadas em cenário brasileiro e a personagens brasileiras.
No início do século XX, a literatura passa a estudar com mais afinco os ambientes brasileiros e o interior do país e os subúrbios das cidades. Surgem romances sobre os subúrbios do Rio de Janeiro, com Lima Barreto, como em O triste fim de Policarpo Quaresma. Graça Aranha retrata o interior do Espírito Santo em Canaã.  Monteiro Lobato mostra nos contos de Urupês e Cidades Mortas o interior de São Paulo, apontando para um tipo brasileiro, o Jeca Tatu, o caboclo do interior, que parece preguiçoso mas que na realidade é doente. Euclides da Cunha denuncia a barbárie da campanha de Canudos em que o Arraial de Antonio Conselheiro foi destruído, num confronto desproporcional entre as forças do Exército e os recursos dos sertanejos. 
O Modernismo chega na década de 1920, iniciando-se oficialmente com a Semana de Arte Moderna. Artistas de todas as artes querem criar uma arte genuinamente brasileira. Foi no centenário da independência do Brasil entre 13 e 18 de fevereiro de 1922, no Teatro Municipal de São Paulo, que ocorreu a célebre Semana.
No saguão do teatro havia uma exposição de artes plásticas com obras de Anita Malfatti, Vicente do Rego Monteiro, Zina Aita, Di Cavalcanti, Brecheret e outros. Nas noites de 13, 15 e 17 de fevereiro realizaram-se saraus com a apresentação de conferências, leituras de poemas, espetáculos de dança e de música.
Na primeira noite, o escritor Graça Aranha apoiou a arte moderna em uma conferência tradicional.
Na segunda noite Menotti del Picchia  apresentou conferência defendendo a integração da poesia com a modenidade, a liberdade de criação e a criação de uma arte autenticamente brasileira. Quando foram lidos fragmentos de poema e de prosa, a plateia ora vaiou ora aplaudiu.
A Semana de Arte Moderna ganhou uma enorme importância histórica, pois representou a união de várias tendências que buscavam renovar a arte brasileira na época.
Falando sobre esse acontecimento na arte, Mário de Andrade, já em 1942, vinte anos mais tarde, afirmou:
"O Modernismo no Brasil foi uma ruptura, foi um abandono de princípios e de técnicas consequentes, foi uma revolta contra o que era a Inteligência nacional."

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Orações adjetivas e substantivas - resultado do teste

Foi proposto ontem o seguinte teste:

Identifiquem se as orações destacadas são substantivas ou adjetivas.

Desejo que tenham um ótimo Dia dos Pais!
O Giovanni, que é um ótimo aluno, mora com seu irmão mais velho.
Disse alguém que pai é aquele que viaja a nosso lado na vida e que nos orienta.
Há meninos que moram apenas com a mãe e irmãos.
Há mães que exercem o papel de pai e mãe.
O pai que teme a Deus é o sacerdote de seu lar.
Li na reflexão diária de hoje que Deus é nosso Pai celeste.


Vejam a resposta.

que tenham um ótimo Dia dos Pais - oração subordinada substantiva objetiva direta, tem a função de objeto direto do verbo "desejo".
que é um ótimo aluno - oração subordinada adjetiva explicativa, caracteriza o substantivo "Giovanni".
que pai é aquele - oração subordinada substantiva objetiva direta.
que moram apenas com a mãe e irmãos - oração subordinada adjetiva restritiva, restringe o substantivo "meninos".
que exercem o papel de pai e mãe - oração subordinada adjetiva restritiva, restringe o substantivo "mães".
que teme a Deus - oração subordinada adjetiva restritiva, restringe o substantivo "pai".
que Deus é nosso Pai celeste - oração subordinada substantiva objetiva direta, tem a função de objeto direto do verbo "li".

Uma dica: quando as orações adjetivas vêm entre vírgulas, elas caracterizam o substantivo a que se referem sem restringi-lo. São explicativas; quando não estão entre vírgulas elas restringem ou limitam a extensão do substantivo a que se referem. Neste último caso são restritivas.

domingo, 11 de agosto de 2013

Atividades sobre orações adjetivas e substantivas


Bom dia!
Lembram-se de que algumas orações exercem o papel de substantivos e outras, o papel de adjetivos?

Identifiquem se as orações destacadas são substantivas ou adjetivas.


Desejo que tenham um ótimo Dia dos Pais!
O Giovanni, que é um ótimo aluno, mora com seu irmão mais velho.
Disse alguém que pai é aquele que viaja a nosso lado na vida e que nos orienta.
Há meninos que moram apenas com a mãe e irmãos.
Há mães que exercem o papel de pai e mãe.
O pai que teme a Deus é o sacerdote de seu lar.
Li na reflexão diária de hoje que Deus é nosso Pai celeste.

Apresento as respostas mais tarde.

A propósito do "Dia dos pais", leiam o artigo que compartilhei em outro blog.


http://viver-celina.blogspot.com.br/2013/08/feliz-dia-dos-pais.html

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Orações adjetivas restritivas e explicativas

Alguns leitores perguntaram qual a diferença entre orações subordinadas adjetivas restritivas e explicativas.
Acompanhem o raciocínio.
Na oração "O menino de boné é meu vizinho." a expressão "de boné" mostra que apenas esse menino é meu vizinho, isto é, restringe a condição de vizinho a esse menino "de boné". Poderíamos usar em lugar da locução adjetiva "de boné" uma oração adjetiva:
"O menino que usa boné é meu vizinho."

Nesse caso a oração "que usa boné" é subordinada adjetiva restritiva.

Já na oração "Todos os meninos daquele grupo, de uniforme azul, são meus alunos." a expressão "de uniforme azul" apenas descreve os meninos do grupo, explicando a roupa que usam, mas não restringe, porque todos são meus alunos. Podemos também substituir a locução adjetiva "de uniforme azul" pela oração subordinada adjetiva explicativa.
"Todos os meninos daquele grupo, que usam uniforme azul, são meus alunos."


Resultado do último teste sobre uso de acento indicativo de crase:

Dirigiu-se à senhora que estava atrás dele na fila. Comentou sobre a etiqueta de preço aplicada às mercadorias no balcão. Tudo estava muito caro.
Às segundas e quartas-feiras, tenho aula de inglês à noite. De quinta-feira a domingo não tenho nenhuma aula noturna.
Não me refiro àquele professor que chegou agora e sim ao que nos ministrará a próxima aula.
Encontrei no intervalo aquela colega com a qual tivemos aula no semestre passado e que se mudou de cidade. Ela me passou o endereço para que a visite quando for a Fortaleza.

domingo, 4 de agosto de 2013

Uso de acento indicativo de crase

Vou explicar hoje o uso de acento indicativo de crase com pronomes demonstrativos.
O acento grave indicativo de crase pode ocorrer com os pronomes demonstraativos aquele(s), aquela(s), aquilo, sempre que houve o uso da preposição a, ocorrendo então a contração dessa preposição com esses pronomes, como nos exemplos:

Refiro-me àquela escola do fim do quarteirão.
Dirigiu o olhar àquilo que estava no depósito - um amontoado de velhos papéis.

Nos dois casos, a preposição a está em contração com os pronomes demonstrativos - aquela, no primeiro período, e aquilo, no segundo.

Você pode perceber melhor o que acontece, se substituirmos os pronomes. É possível, assim, observar a preposição a antes do pronome. Veja:

Refiro-me a essa escola do fim do quarteirão.
Dirigiu o olhar a isto que estava no depósito (...).

Atividade sobre o uso do acento indicativo de crase
Fundamentando-se nas informações que recebeu no artigo anterior sobre o uso de acento indicativo de crase e estas que recebeu agora, utilize corretamente o acento grave indicativo de crase, quando for o caso, nos períodos seguintes:

Dirigiu-se a senhora que estava atrás dele na fila. Comentou sobre a etiqueta de preço aplicada as mercadorias no balcão. Tudo estava muito caro.
As segundas e quartas-feiras, tenho aula de inglês a noite. De quinta-feira a domingo não tenho nenhuma aula noturna.
Não me refiro aquele professor que chegou agora e sim ao que nos ministrará a próxima aula.
Encontrei no intervalo aquela colega com a qual tivemos aula no semestre passado e que se mudou de cidade. Ela me passou o endereço para que a visite quando for a Fortaleza.

Veja aqui o resultado do teste proposto ontem sobre pontuação.

Estamos mais uma vez em Brasília, capital do país. Chegamos à Rodoviária do Plano Piloto, ponto central desta região da cidade. Estamos num dia de sol no início de agosto. A cidade está vazia, pois é fim de semana.