segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Dom Casmurro e Otelo

Otelo e Desdêmona, pintura de Théodore Chassériau

Geralmente estudamos literatura aqui no Brasil com uma visão histórica, isto é, começamos do Descobrimento do Brasil, com a carta de Pero Vaz de Caminha e a literatura de informação e seguem-se os períodos literários, como Barroco, Arcadismo, Romantismo, Realismo...Há outras formas de estudar literatura. Uma delas é estudá-la a partir dos temas abordados na literatura, e não só na literatura do país. Em "Dom Casmurro", de Machado de Assis, por exemplo, está presente o tema da traição. O mesmo tema é abordado em "Otelo", de Shakespeare. Isso foi motivo para uma redação proposta em recente exame, como alguns dos leitores sabem.
Um pequeno parênteses para informar que aqui na internet há um site gratuito, onde encontramos livros de literatura brasileira e de outras literaturas,  que podem ser baixados gratuitamente. É o site Domínio Público
Neste site, encontramos o livro "Dom Casmurro" aqui.
Se você pesquisar nesse site, no livro "Dom Casmurro", à página 61, encontrará o capítulo "Uma ponta de Iago", capítulo LXII, onde há uma referência ao despertar do ciúme em Bentinho por uma resposta do agregado José Dias a uma pergunta do próprio Bentinho sobre Capitu:
"— Tem andado alegre, como sempre; é uma tontinha. Aquilo, enquanto não pegar algum peralta da vizinhança, que case com ela... "
 A resposta faz com que Bentinho queira imediatamente visitar sua casa, com o pretexto de ver sua mãe, mas na realidade para ver pessoalmente o que está acontecendo na vizinhança.
O título do capítulo "Uma ponta de Iago" faz uma alusão ao personagem Iago, da peça de teatro"Otelo", de Shakespeare. Nessa peça, Iago arma várias situações com o intuito de despertar em Otelo o ciúme, fazendo-o imaginar que  Desdêmona, sua amada, tinha uma relação amorosa com Cássio. Você poderá ler o resumo da história aqui
A meu ver, em Dom Casmurro, não é José Dias que intencionalmente desperta o ciúme, pois é o próprio Bentinho que pergunta por Capitu e se preocupa com a traição a partir daí. 
Mais tarde, no capítulo LXX, há uma outra alusão a "Otelo", mencionando que as peças de teatro poderiam começar pelo final, que, em "Otelo", é a morte de Desdêmona, assassinada por Otelo, que se suicida depois, ao saber que a matara injustamente.
No capítulo anterior, o narrador Bentinho conta como Capitu conhecera Escobar, amigo de Bentinho de quem este se despedira efusivamente perto da casa da namorada, que espreitava por trás da janela fechada.
Conforme o narrador, ninguém poderia suspeitar nesse capítulo o final da história, que, como sabemos, seria a banição de Capitu, que morreu depois, acusada pelo próprio Bentinho de traí-lo com Escobar, que morreu acidentalmente.
Os dois livros, "Dom Casmurro" e "Otelo", são ligados pelo tema da traição. Entretanto, a meu ver, o surgimento da crença na traição  nas personagens Otelo e Bentinho tem matizes diferentes. Em Otelo, é insinuada por Iago. Em Dom Casmurro, é imaginada, apontada e insinuada pelo próprio narrador Bentinho. 
Uma dúvida paira: o narrador apontaria conscientemente a peça "Otelo" ligada à sua própria história por ter sido a traição naquela peça uma acusação falsa?