sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Dia da Consciência Negra

Finalmente chegou o esperado dia das apresentações em comemoração ao Dia da Consciência Negra.
Os alunos dançaram e cantaram, valorizando a raça negra, formadora do povo brasileiro, a igualdade entre todos nós, humanos, a necessidade de evitar o racismo e de conviver em paz com todos.
Vejamos as fotos da apresentação das diversas turmas.















quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Dia da Consciência Negra

Neste dia 20.11, comemora-se o Dia da Consciência Negra. No Brasil, a raça negra é uma das que constituíram nosso povo. Da África vieram homens escravizados que trabalharam na construção de nosso país e, mesmo após a abolição da escravatura, seus descendentes foram humilhados e sofreram preconceito - situação que perdura até hoje.
O mural organizado pelos alunos em nossa escola lembra que devemos dizer "não" ao racismo.




terça-feira, 18 de novembro de 2014

Moçambique: visão de um moçambicano

Na última quinta-feira, como já registrei, um professor doutorando da UFG/IESA, nos mostrou a visão de um brasileiro em visita a Moçambique, país do sudeste africano.
Já na sexta-feira subsequente três professores doutorandos da mesma Universidade estiveram presentes em nossa escola, os professores Ernesto Jorge Macaringue, Daniel Zacarias e Leydi, que são docentes da Universidade Eduardo Moudlane, em Moçambique.
O prof. Ernesto Jorge apresentou-nos a palestra "A África em miniatura: Moçambique", mostrando aspectos do continente que se refletem no seu país. Demonstrou, por exemplo, que há um preconceito em relação à África que faz que seja percebida de forma negativa.
Apresentou-nos percentuais sobre as religiões praticadas no seu país, onde a maior parte é de cristãos, que, entretanto, conforme o palestrante, muitas vezes visitam o sacerdote ministrante de curas das religiões nativas, por não haver outra opção de tratamento para sua saúde. Ainda quanto à religião, há um percentual grande de moçambicanos islâmicos e uma minoria das religiões nativas, geralmente politeístas e de cunho animista.
Falou sobre a postura dos alunos em Moçambique, que consideram as aulas momentos formais a que comparecem sem usar os trajes tradicionais africanos, assistindo-as de forma bastante compenetrada.
A palestra chamou-nos a refletir sobre a forma de observar o continente africano. Vejamos a África e sua cultura sem preconceito.


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

A África visitada por um brasileiro






Neste mês de novembro,em que se comemora o"Dia da Consciência Negra"no dia 20, a escola está ornamentada com dois murais, um elaborado com imagens pesquisadas pelos alunos denunciando o racismo e outro mural apresentando uma exposição de fotos colhidas pelo professor doutorando da UEG/IESA Elias Rodrigues da Silva em Moçambique, país do sudeste da África, no Projeto Missão Científica e Exploradora Maputo.
Em palestra às sétimas e oitavas séries, no dia de ontem, o professor mencionou aspectos de sua visita ao país, em que observou aspectos econômicos, sociais e culturais.
Relatou o palestrante que teve ocasião de presenciar a apresentação de danças típicas do país, observar o comportamento dos estudantes nas universidades - e notar que apresentam muita disciplina e vontade de estudar, ver as pessoas vendendo produtos em feiras e à beira de rodovias, verificar o preço exorbitante dos imóveis.
Um dos slides apresenta o porto de onde partiram os homens escravizados para o ocidente. De lá vieram alguns dos ancestrais dos brasileiros.
Finalizando a palestra, um slide associava à luta pela Consciência Negra toda a luta contra a opressão do homem pelo homem, e mostrava sobre o mapa da África a imagem do grande líder da luta contra o apartheid Nelson Mandella, que chegou a ser presidente da África do Sul.
Respondendo a questões dos alunos, o palestrante referiu que é Português a língua praticada em Moçambique, em razão da colonização por Portugal, e que as pessoas são muito amistosas com os visitantes de outros países, não exercendo discriminação contra os estrangeiros de qualquer origem ou raça.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Pequena canção da onda



Pequena canção da onda

Cecília Meireles

Os peixes de  prata ficaram perdidos,
com as velas e os remos, no meio do mar.
A areia chamava, de longe, de longe,
Ouvia-se a areia chamar e chorar!

A areia tem rosto de música
e o resto é tudo luar!

Por ventos contrários, em noite sem luzes,
do meio do oceano deixei-me rolar!

Meu corpo sonhava com a areia, com a areia,
desprendi-me do mundo do mar!

Mas o vento deu na areia.
A areia é de desmanchar.
Morro por seguir meu sonho,
Longe do reino do mar!

Cecília Meireles é escritora do século XX. Nasceu em 1901 e completaria hoje 113 anos.
Escreveu poemas sobre a natureza, a passagem do tempo e das coisas, a efemeridade da vida, o amor.
Leia o poema acima, que tem belas imagens sobre o mar, a areia, o vento...

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Coesão - pronomes oblíquos


No artigo anterior, vimos o uso de pronomes pessoais do caso reto: eu, tu, ele, nós, vós, eles.
O uso adequado desses pronomes, pode evitar repetições e melhorar a coesão do texto. Deve-se também cuidar para evitar seu uso, se for desnecessário.
Por exemplo,  vamos observar o período: "Leciono no CEF 08." Aqui não é necessário utilizar o pronome "eu", já que, pela forma verbal é possível deduzir o sujeito "eu".
Já em  "É necessário que eu venha pela manhã.", a forma verbal vale para a primeira e para a terceira pessoa, sendo necessário o uso do pronome para tornar claro o período.

Entretanto, quero tratar aqui dos pronomes pessoais oblíquos me, mim, te, ti, se, si, o(s), a(s),lhe(s), nos, vos. Eles podem muitas vezes ser utilizados para retomar termos mencionados anteriormente, melhorando a coesão.

Vejam o exemplo: "Minha mãe esteve hoje na escola. Eu lhe havia falado da reunião de pais para entrega do boletim."
Neste exemplo, o pronome pessoal oblíquo lhe refere-se ao termo "minha mãe", empregado anteriormente, evitando a repetição.

Utilize pronomes oblíquos para completar os seguintes períodos:

1 - Conheci a professora Celina na sexta-feira. Encontrei- ____ por coincidência no sábado num passeio.

2 - O candidato encontrou-me no shopping. Ofereci- ____ meu apoio.

3 - Joana sempre fala sobre seus pais. Conheci-_____    ontem na reunião escolar.

4 - Luísa tem uma pequena ave como mascote. Vi- ___ no quintal da casa de minha colega.

5 - Recebemos muitos livros no início do ano. Trazêmo-_____ sempre para a escola.

sábado, 1 de novembro de 2014

Nova temporada: coesão e uso de pronomes




Estou inaugurando uma nova temporada deste blog, já que voltei a lecionar Português em sala de aula.
Vou procurar deixar aqui algum conteúdo e atividades ligados ao que estamos estudando neste bimestre.

Começamos com a coesão textual e o uso de pronomes pessoais e indefinidos.
Coesão é o uso das corretas ligações num texto. Para uma boa coesão, é importante o uso de pontuação adequada, conjunções e outros elementos. Não é elegante, por exemplo, o uso de múltiplas repetições. Assim, as ideias são retomadas com o uso de sinônimos ou de pronomes. 
Os pronomes pessoais são de três pessoas (1a., 2a. e 3a.) no singular e no plural: eu, tu, ele; nós, vós, eles. A 1a. pessoa é a que fala, a 2a. é aquela com quem se fala e a 3a. é a de que se fala.
Já os pronomes demonstrativos são este(a), esse(a), aquele(a) e isto, isso, aquilo. A noção de proximidade no tempo e no espaço é o que diferencia o uso desses pronomes. Este e isto indicam proximidade da pessoa que fala ou maior proximidade no tempo e no espaço, esse e isso indicam proximidade do interlocutor e uma proximidade menor do que a indicada por este. Aquele e aquilo indicam distância do falante e do interlocutor (a pessoa que fala e a pessoa com quem se fala). 
Quanto às citações, este e isto indicam o que vai ser citado e esse e isso indicam o que já foi citado. 
Também em citações, este e isto indicam o que foi citado mais próximo e aquele e aquilo se referem ao que está mais distante.

Complete com os pronomes pessoais e demonstrativos adequados os seguintes períodos:

1) Carla, loira,  e Inês, de cabelos pretos, são colegas da mesma classe. _______  gostam de sentar juntas.

2) Chegando pela primeira vez naquela turma, observei as duas - Carla e Inês. __________ prende os negros cabelos num rabo de cavalo. ____________ mantém a cabeleira dourada solta e bem escovada.

3) Digo apenas ___________: as duas estão sempre atentas e estudam muito.

4) A sala tem uma mesa para o professor. _______ está cuidadosamente coberta com uma toalha quadriculada.

5) Há alunos de vários bairros na mesma sala.  ____________ faz com que seja difícil programarem reuniões para trabalhos em grupo.


Na questão 4, em lugar de usarmos um pronome pessoal, poderíamos utilizar um pronome relativo ligando as duas orações.
Como ficaria então o período nessa questão?